Cuide bem do seu aparelho auditivo!

    Titio kure está aqui para alertá-los sobre um problema muito sério: a perda da capacidade auditiva.
    Aparentemente, esse parece ser um assunto meio inútil. Agente não percebe por aí e nem vê as pessoas falando muito sobre isso. Acho que esse assunto poderia ser classificado na categoria das ‘coisas que acontecem com as outras pessoas, mas nunca comigo ou com as pessoas que eu conheço’. O que, infelizmente, a maioria das pessoas não sabem (principalmente os jovens) é que esse é um problema super comum, meio imperceptível e quase irreversível. Sons intensos realmente danificam o aparelho auditivo.
    Creio que se você lê esse blog, está acostumado a ouvir músicas quase que diariamente. Mesmo que não ouça voluntariamente, sempre tem alguém com um celular tocando musica por perto ou até de fone de ouvido que, curiosamente, todos ao redor escutam. Mas nem precisa ser a música em si para discutir esse problema; buzinas, pessoas gritando, barulhos de trens, aviões passando, engarrafamentos… Tudo isso é tão preocupante para o aparelho auditivo quanto é absurdo para a saúde usar drogas. Exagero? Deixe-me mostrar o porquê.
    Assim como o vício, o dano no aparelho auditivo é um problema que possui muitas causas e poucos tratamentos. A sensibilidade de cada pessoa influencia no processo, sendo muito difícil saber como seu aparelho auditivo vai reagir aos sons. Muitas vezes, só é necessário um som bem alto para que deixe a pessoa com danos permanentes (como um tiro muito próximo, explosão ou até shows ao vivo). Em outros casos, é a exposição crônica e quase diária que pode gerar conseqüências terríveis. É nessa última que está o golpe sorrateiro: os danos auditivos começam de maneira quase imperceptível. 
    Pessoas que costumam ouvir músicas em iPods, iPhones, mp3 players, celulares, etc, correm esse grande risco. O risco de ouvir música alta e, com o passar do tempo, não conseguir mais ouvir direito no volume no qual está acostumada, e então aumentá-lo. Assim, gradativamente, tal pessoa vai perdendo a sensibilidade auditiva, o que faz com que surjam sintomas da tal danificação ao aparelho auditivo. Ufa, desculpa pelo parágrafo grande…
    E então? Que sintomas? Em geral, as pessoas ouvem zumbidos bem agudos, sem parar. Isso acontece porque a maior sensibilidade das células está nos sons de frequencias agudas. Assim, a perda da capacidade auditiva se dá dos sons agudos aos graves. Quando acontece de repente, a perda é quase total. Isso tem uma explicação biológica, mas fica para os mais nerds pesquisarem, ok?
    Vamos fazer uma experiência? Tente ficar em um ambiente o mais silencioso possível. Feche a porta, as janelas, etc. Se você ouvir um zumbido constante, de preferência bem agudo, é provável que você esteja afetado pela perda auditiva. Outros sintomas vão desde irritabilidade, dores de cabeça, náusea, dores na região da orelha e até zumbidos bem altos. Em casos graves, todos esses sintomas podem ser constantes. Imagine ouvir um barulho irritante sempre, independentemente da hora ou lugar em que você está?
    É isso que pessoas como Eric Clapton e Pete Townshend sofrem. Em uma entrevista recente, Eric, nos seus 65 anos, admitiu estar passando por esse problema. A coisa é tão séria que ele não consegue ouvir as músicas como quando era jovem, e isso afeta a sua maneira de tocar e até compor. Já Pete, guitarrista do The Who, mal consegue ouvir. Ele foi o primeiro grande astro do rock a admitir publicamente que tinha problemas de audição. Sofre de deficiência auditiva grave adquirida ao longo da vida de shows e música alta. E não são só eles. Sintomas semelhantes são observados também em grande parte dos músicos veteranos e jovens; e pelos não-músicos tambem.
    Pesquisas recentes, como uma realizada no ano passado pela Academia Americana de Pediatria, revelam que sintomas antes experimentados por pessoas com mais de 30 anos, como perda auditiva leve, e mais de 50, como perda auditiva grave; já fazem parte da realidade de vários jovens. Isso inclusive no Brasil.
    Então, tomem cuidado! Uma coisinha básica que todos devem saber sobre a intensidade do som e como se prevenir, é que eles são medidos em decíbeis (dB). Zero dB é o silêncio, o mínimo que os seres humanos conseguem ouvir. 10 dB são folhinhas caindo de uma árvore e um sussurro geralmente passa pela casa dos 30 dB. Agora, o estipulado como limite confortável para os seres humanos é de 85 a 90 dB (o equivalente a um caminhão de lixo passando pela rua). Acima disso, causa incômodo, irritação e até dor. Sons de 110 dB, equivalentes a motosserras, causam irritação profunda. Ao chegar nos 140, já é extremamente irritante. Digamos, um avião a jato decolando ao seu lado. Sons acima de 150 decíbeis, curiosamente, podem levar até à morte.
    Ao, por exemplo, ouvir músicas nos fones de ouvido, é recomendado que você mantenha o volume num nível que permita que você ouça uma pessoa ao seu lado falando normalmente. Um modo natural de testar isso seria conversar com alguem, sem gritar, enquanto ouve a sua música. Dessa forma, você garante uma grande proteção a sua preciosa orelha. E ainda evita incômodos desnecessários. Pessoas que ouvem sons altos tem tendência a falar mais alto tambem. Além de incomodar os outros, gera frustração de quem grita.
    Se você estiver em um ônibus, ou em qualquer ambiente barulhento que supere a intensidade da música, não aumente o volume para ouvir melhor! Ao fazer isso você estará agredindo todo o seu aparelho auditivo, tanto pelo ambiente barulhento, quanto pelo volume que você vai ter que forçar para ouvir a música bem. Não é recomendado fazer isso mesmo.
    Outra coisa que é recomendado é não usar aqueles fones de ouvidos invasivos, de enfiar no ouvido. Esses tipos de fone amplificam ainda mais a frequência dos sons, podendo aumentar o volume em até 10 dB! Prefira aqueles fones externos que são, infelizmente, mais chamativos. Além de não amplificar os sons tanto assim, eles tem como característica melhorar a qualidade do grave das músicas e não deixar o som tão distorcido.
    Evite ambientes barulhentos! Locais como salas de aula com pessoas gritando ou engarrafamentos são exemplos de lugares que, infelizmente, não temos como escapar, certo? E, mesmo assim, continuam danificando diariamente as nossas células sensoriais. Se, além disso, houverem mais fatores de risco (como ouvir música alta), é perigo na certa.
    Por último, faço um apelo aos leitores para não incomodar as outras pessoas com sons altos, não agredir os outros com poluição sonora. Carros com som, celulares e fones de ouvido altos, como eu falei no começo do texto… Além de mudarem a compreensão sobre tudo isso, expliquem para as pessoas mais próximas de vocês. Isso porque a consciência não é algo que se toma da noite por dia, ainda mais sendo esse um assunto muito obscuro e não divulgado…
    Para mais informações, visitem os links abaixo e comentem no post!


H.E.A.R. – ONG financiada por Pete Townshend, aquele guitarrista que eu falei antes.
Trata-se sobre conscientizar as pessoas sobre a perda da capacidade auditiva. 
Bom para leigos que querem aprender informações rápidas sobre o assunto.
Link


Informações Físico-Biológicas sobre o som em si e o aparelho auditivo.
Meio como um livro de biologia trataria do assunto.
Para os mais nerdzinhos do grupo e/ou curiosos.
Link


Matéria específica sobre o zumbido no ouvido, um problema sentido por muitos e pouco falado por aí.
Além da matéria, eu sugiro a leitura dos comentários. Eles mostram o descaso atual em relação a esse problema, tanto em parte da medicina quanto da mídia.
Link


Matéia simples de ler e resumida sobre todo o assunto. Vale a pena, e eu recomendo!
Link


Vídeo motivador da H.E.A.R., ONG mencionada antes.
Eu recomendo que vejam, é bem curtinho.
Link Direto


Não recomendo muito esse site para leigos, já que é muito extenso o que ele tem a dizer.
Porém, para os profissionais ou até super interessados no tema, segue um link bastante interessante e completo.
Acho que não falta nada aqui, está tudo a respeito do tema.
Link
Anúncios

Publicado em quinta-feira, 13 maio 2010, em Nerdíces. Adicione o link aos favoritos. 4 Comentários.

  1. Ótima matéria Kure, realmente os danos de um cotidiano agitado das cidades é bastante prejudicial, e no que pudermos fazer pra diminuir esse efeito já é um grande avanço na reeducação do ser humano.

  2. Adorei o post! Já tinha uma certa preocupação com o assunto, até pq a minha mãe começou a ouvir um zumbido constante e eu vi como isso pode ser irritante. Também já conversei com uma velhinha meio surda e vi o quão chato deve ser não conseguir conversar direito por causa de problemas auditivos x-x Mas só esse post me deixou efetivamente mais consciente. Acho que eu tinha incluído o assunto nas “coisas que acontecem com outras pessoas”.

  3. Eu mesmo já estou manerando. Antes era quase que o dia inteiro. Hoje está me esqueço do iPod.
    Até mais e valeu pelas orientações.

  4. Cara, eu duvido que alguém tenha paciência pra ler isso até o final xD

    Anyway, reportagem bem escrita.

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s

%d blogueiros gostam disto: